Anúncios de fusões e aquisições no Brasil crescem 3,6% em 2017 e somam R$ 138 bilhões

Em 2017, o número de anúncios de fusões e aquisições de empresas cresceram 3,6% e somaram 143 operações, ante 138 no ano anterior. Em volume financeiro, entretanto, as transações somaram R$ 138,4 bilhões, queda de 22,8% ante 2016. Os dados foram divulgados nesta quinta-feira (8) pela Anbima (Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais).

 
Número e volume de anúncios de fusões e aquisições nos últimos anos  (Foto: Divulgação/Anbima) Número e volume de anúncios de fusões e aquisições nos últimos anos  (Foto: Divulgação/Anbima)

Número e volume de anúncios de fusões e aquisições nos últimos anos (Foto: Divulgação/Anbima)

Segundo a Anbima, o aumento do número de anúncios reflete a maior participação das operações com volumes médios mais baixos. Em 2017, as transações de até R$ 500 milhões responderam por 63,5% do total.

Em 2017, pelo quarto ano consecutivo, a maior parte das operações anunciadas envolveram a compra de empresas brasileiras por estrangeiras. As transações movimentaram R$ 63,6 bilhões e responderam por 46% do volume do ano. Na sequência, estão as transações entre empresas brasileiras, com 37,5% do total.

 

Destaques do ano

 

 
Compra da Eldorado Celulose pela Paper Excellence por R$ 15 bilhões foi o maior negócio do ano, segundo a Anbima (Foto: Reprodução YouTube/Divulgação) Compra da Eldorado Celulose pela Paper Excellence por R$ 15 bilhões foi o maior negócio do ano, segundo a Anbima (Foto: Reprodução YouTube/Divulgação)

Compra da Eldorado Celulose pela Paper Excellence por R$ 15 bilhões foi o maior negócio do ano, segundo a Anbima (Foto: Reprodução YouTube/Divulgação)

Os dois maiores negócios do ano passado, segundo o levantamento, foram a compra da Eldorado Brasil Celulose pela holandesa Paper Excellence por R$ 15 bilhões e a aquisição do Campo Roncador da Petrobras pela noruegueda Statoil por R$ 9,5 bilhões.

O ano foi marcado ainda pela reestruturação da Vale, que movimentou R$ 7,4 bilhões e negócios como a compra da participação minoritária da XP pelo Itaú Unibanco, por R$ 6,3 bilhões, e a incorporação da Elektro pela Neoenergia, por R$ 6 bilhões.

Entre os setores que lideraram os anúncios de fusões e aquisições em 2017, destaque para energia elétrica, com volume de R$ 24,58 bilhões ou 17,8% do total, em 17 operações. Em 2º lugar ficou o segmento de papel e celulose, com 2 negócios que movimentaram R$ 15,31 bilhões ou 11,1% do total. Na sequência, ficaram: empresas financeiras (R$ 13,72 bilhões ou 9,9%), alimentos e bebidas (R$12,95 bilhões ou 9,34%), indústria e comércio (R$ 12,21 bilhões ou 8,8%) e petróleo e gás (R$ 11,91 bilhões ou 8,6%).